28/06/2017

Musculação para idosos, o que a ciência de fato diz? (7 dicas importantes)

A expectativa de vida das pessoas é cada vez maior. Com isso, temos uma preocupação que não era recorrente, em épocas mais remotas: o envelhecimento com qualidade de vida. Afinal, não basta ter uma maior expectativa de vida. É fundamental que a velhice em si, seja baseada em uma vida funcional e com muita qualidade.

Neste sentido, a musculação para idosos vem ganhando muitos adeptos nas últimas décadas. A ciência, vem estudando exaustivamente os benefícios da musculação para idosos.

Musculação para idosos, aspectos práticos

1- Escolha adequada dos exercícios

Este é um ponto muito importante. Muito mais do que pensar apenas nas fibras que serão ativadas, é importante para o idoso, a escolha de movimentos que realmente sejam funcionais. Por isso, é natural que haja uma maior predominância de movimentos multiarticulares, que envolvam atividades motoras parecidas com as do dia a dia.

Não que isso seja uma via de regra, mas é importante salientar que a funcionalidade deve ser a base para a montagem da sequência dos exercícios.

2- Estímulos sequenciais

Isso não vale apenas para os idosos, mas neste grupo, isso se mostra ainda mais importante. A capacidade de adaptação dos idosos tende a ser um pouco mais lenta. Neste sentido, é fundamental que haja uma busca por uma sequência que contemple este desenvolvimento.

Não é por que estamos falando de idosos, que devemos manter um treino sempre igual, sem aumento de intensidade ou carga. O que devemos ter é responsabilidade. O aumento da carga de treino, deve ser sequencial, específico e cuidadoso. Mas ele deve, sempre, acontecer. Caso contrário a musculação em idosos, tende a não ter tantos efeitos positivos.

3- Ingestão adequada de proteínas

Não é por que estamos lidando com idosos, que a dieta perde a importância. Na verdade, neste caso, ela é ainda mais importante. Lembre-se que estamos falando de saúde. Por isso, é muito importante que tenhamos cuidado com todos os elementos. Porém, as proteínas têm um importante papel nesta fase. Como elas participam da reconstrução dos tecidos, que acabam sendo mais castigados com os efeitos do tempo, teremos uma importância maior na ingestão proteica.

Além disso, o treinamento resistido vai causar, invariavelmente, microlesões teciduais. É na reconstrução destas, que teremos o aumento dos níveis de força, hipertrofia e funcionalidade. Mas para que esta reconstrução aconteça, precisamos de proteínas. Por isso, é muito importante que tenhamos uma ingestão proteica de qualidade.

4- Periodização é ainda mais importante

Um idoso tem muitas individualidades. São muitas coisas que podem influenciar em sua qualidade de vida. Por isso, o planejamento de treino, a periodização, é fundamental. Um erro muito comum, é achar que “o que for feito está bom”. Não, um idoso precisa de um treino periodizado, planejado e executado da forma adequada. Desta maneira, iremos aumentar a longevidade e a qualidade de vida do idoso, de uma forma muito mais efetiva.

Além disso, com a periodização, teremos o controle de carga feito da maneira mais correta. Isso vai fazer com que o desenvolvimento e melhora das condições gerais do idoso, sejam aumentadas. Para isso, é fundamental o acompanhamento de um bom profissional!

Leia também => Treinamento com oclusão vascular em idosos, é possível usar?

5- Tempo de descanso é fundamental

O idoso já não tem a mesma velocidade de regeneração do que um jovem. Por isso, na musculação para idosos, é muito importante buscar um equilíbrio ainda mais refinado, entre estímulo e descanso. Na grande maioria dos casos, conforme os estudos acima citados mostram, de 3 a 4 treinos por semana, é mais do que o suficiente.

Isso significa, que na organização do treino, durante a semana, temos que pensar em dias de descanso. Além disso, a organização dos estímulos por grupo muscular, também precisa ser pensada dentro desta lógica.

6- Qualidade na execução dos exercícios

Se em uma pessoa jovem, a utilização de um movimento contra uma carga, já pode causar lesões, imagine em um idoso. Por isso, jamais devemos colocar um idoso em qualquer situação de execução de movimentos, que ele não seja capaz de executar com proficiência.

Se ele tem capacidade para agachar, use o agachamento. Se ele tem capacidade para fazer um supino, faça. Mas jamais, em hipótese alguma, sujeite o idoso a um movimento que ele não tenha total controle. Uma lesão, em muitos casos, pode ser gravíssima para a funcionalidade do idoso.

7- Os treinos devem ser atrativos

Um dos maiores problemas na musculação para idosos, é a aderência aos programas de treinamento. Nem todos os idosos gostam de se exercitar (assim como acontece em qualquer faixa de idade). Por isso, o primeiro ponto para a musculação para idosos, é que ela deve ser atrativa. Ela deve desafiar e trazer prazer para o idoso. Para isso, podemos usar diferentes estratégias, que no contexto geral, vão trazer mais prazer ao praticante.

Além disso, há diferentes possibilidades de atividades que podem ser realizadas por idosos. Porém, pelas razões que já foram citadas aqui, o movimento resistido é fundamental. Afinal, é ele que causará uma melhora considerável na qualidade de vida e na saúde do idoso.

Fonte: http://www.treinomestre.com.br/